quarta-feira, 29 de junho de 2011

Independência da Bahia - 2 de Julho

 

No dia 2 de Julho comemora-se a independência da Bahia. 

As tropas fiéis a Portugal acabaram sendo derrotadas em 2 de julho de 1823. Esta data celebra às tropas do Exército e da Marinha Brasileira que, através de muitas lutas conseguiram a separação definitiva de Brasil do domínio de Portugal.
Neste dia as tropas brasileiras entraram na cidade de Salvador, que era ocupada pelo exército português, tomando a cidade de volta e consolidando a vitoria. O episódio, além de marcar as lutas de independência do Brasil, motivou a criação de um feriado onde se comemora a chamada Independência da Bahia. Alguns personagens foram importantes nesta batalha como: Maria Quitéria, Joana Angélica, General
Pedro Labatut, eo Coronel José Joaquim de lima e Silva.

Personagens Importantes:

Caboclo e Cabocla:



Estas figuras simbólicas foram criadas para homenagear os batalhões e os heróis de 1823 que, pela bravura e coragem, lutaram pela liberdade do Brasil. A história conta que o povo resolveu fazer sua própria comemoração e, em 1826, levou uma escultura de um índio para representar as tropas, já que não poderia ser um homem branco, porque lembrava os portugueses, nem os negros que, na época, não eram valorizados. Vinte anos depois, a Cabocla foi incluída nas comemorações.



Maria Felipa era descendente de africanos sudaneses. Natural de Itaparica, foi uma mulher de muita coragem, de beleza por porte físico exuberante, habilidade de capoeirista e trabalhadora marisqueira, muito querida  pela população da Ilha de Itaparica, onde participou das lutas pela Independência na Bahia. Comandou cerca de 40 mulheres num ato de ousadia e muito desembaraço, onde queimaram 42 barcos da esquadra portuguesa, permitindo ao povo de Salvador  a supremacia nos embates e a definição da situação, com a vitória sobre as tropas da dominação Portuguesa.

 
Maria Quitéria:
A maior heroína nas lutas pela independência do Brasil, na Bahia. Maria, ao ficar sabendo das movimentações sobre as lutas da independência, conseguiu uma farda do exército e se alistou para combater as tropas portuguesas. Participou de diversas batalhas e foi consagrada solenemente na chegada do exército à Salvador. 


Joana Angélica de Jesus, abadessa do Convento de Nossa Senhora da Conceição da Lapa, em Salvador, é considerada mártir da independência da Bahia. Em 1822, os brasileiros baianos lutavam contra as tropas portuguesas, que não concordavam com a ruptura com a Corte. Os soldados cometiam excessos, invadiam casas de famílias e pretendiam entrar no convento. Joana Angélica ordenou às monjas que fujissem pelo quintal e pôs-se na entrada. Foi assassinada a golpes de baioneta. A revolta na Bahia continua até 2 de julho. 



Foi quem assumiu o exército brasileiro das mãos do coronel Joaquim Pires de Carvalho e começou a enfrentar o exército português. Um homem duro, Labatut conseguiu reestruturar as tropas e reerguer a vontade pela liberdade do Brasil.